http://www.facebook.com/

sábado, 30 de janeiro de 2010

Comissão Técnica de Obras finalizou relatório sobre Viaduto Cidade de Guarulhos.

Da Redação A Comissão Técnica Permanente de Obras e Serviços Públicos da Câmara, formada pelos vereadores Geraldo Celestino (PSDB) presidente, Edmilson Americano (PHS), secretário, e Novinho Brasil (PTN), membro, finalizou recentemente relatório preliminar sobre a obra do Viaduto Cidade de Guarulhos. Segundo concluíram os parlamentares, baseados em estudos técnicos, o projeto básico para realização da obra foi feito em caráter de urgência e com interesses políticos, o que deu margem a erros que foram detectados posteriormente. No entanto, o relatório isenta a prefeitura de qualquer irregularidade, mesmo com os imprevistos ocorridos e que contribuíram para onerar ainda mais os cofres públicos. O documento critica a falta de organização e a gestão inadequada do município e cita a falta de recursos financeiros, além de problemas com desapropriações, como exemplo.Como parte dos recursos da obra vem de um convênio assinado com o governo federal, os parlamentares chegaram à conclusão de que “tais recursos não foram devidamente aplicados para o fim a que se destinavam.” O documento que deu origem ao relatório deverá ser apresentado à prefeitura em breve para análise. PRÓXIMO PASSO O vereador Americano (PHS) ressaltou que o estudo foi baseado em dados técnicos, porém preliminares, e que o próximo passo da comissão é marcar uma reunião com o Executivo para uma análise mais detalhada dos documentos. AGENDA Segundo informou Americano nesta quinta-feira (21), o encontro poderá ocorrer no início de fevereiro, com o retorno do Legislativo às atividades. “Após esse encontro poderemos emitir um relatório definitivo sobre o que realmente aconteceu”, disse. COMPROMISSO A primeira data de entrega da obra seria em 3 de abril de 2008, porém, com os problemas ocorridos, o prefeito Sebastião Almeida se comprometeu a entregar a obra no primeiro semestre deste ano. RESPEITO Na quinta, o prefeito esteve presente no viaduto, vistoriando o andamento das obras. Ao que tudo indica, Almeida está decidido a fazer com que o cronograma de obras do empreendimento seja respeitado.
Fonte: DG

Amigos de Luta.

“Por falar em lutas, ontem estávamos preparando outra lá em casa. Após uma garrafa de vinho, depois de ter discutido o teor, um dos amigos, querendo assunto para abrir outra garrafa, perguntou: o que leva marmanjos e marmanjas a investir parte de seu tempo, ou mesmo toda a vida, para a defesa de causas coletivas ou “justas”, ao invés de aderir às facilidades e se locupletar?” Meus amigos; Sabe que também não sei? Nem faço muita questão de saber com medo de desistir! Como sou Cristão, Católico e freqüentador, vez por outra de Centros Espíritas, pois também acredito e busco receber uns gratificantes e confortáveis passes, que nos alivia o corpo e a alma, o próprio Jesus Cristo temeu as tentações da carne. Não consigo assimilar muito estes motivos que nos leva a estas nossas lutas! Se deixar cooptar seria muito mais prático e talvez nos concedesse alguns benefícios materiais de forma mais rápida, mas não seria a mesma coisa, não nos daria a satisfação da vitória suada, da conquista árdua e do sucesso conquistado. Só encontro resposta nas forças divinas já que em inúmeras situações me decepcionei com a sabedoria dos homens. Enfim, agradeço todos os dias às belas bênçãos que recebo convertidas nas grandiosas dádivas que são as amizades dos amigos como vocês. Especialmente, busco muito me espelhar em um velho sábio, para mim, hoje aos 92 anos de idade e que na época de minha infância nos divertia, eu e meus irmãos, torcendo sua camisa no final das tardes tórridas do sertão nordestino, após um duro dia de luta, donde jorrava literalmente o suor do seu corpo, e dava risada para nós que, em nossos olhos brilhavam um orgulho danado, no entanto, nem nós, nem ele, tínhamos a real noção do imensurável exemplo de vida que nos estava passando. Meu velho e adorável pai Cândido, no nome e na vida, pela Candura que representa para todos os filhos, filhas, netos e netas, e que Deus, com sua generosidade infinita nos concede o privilégio de, ainda hoje, aos 53 anos, poder desfrutar do seu convívio, de seus conselhos e do seu carinho. Também, no meu curso Ginasial, bem no início da década de 70, ostentávamos em nosso bolso da camisa do uniforme escolar, um símbolo adotado por nossa escola circundado com esta frase: “O sabor de uma vitória depende da intensidade da luta.” Sempre esta frase me marcou muito, e adotei a mesma como lema. Um beijo no coração de todos os meus amigos; que sempre me envaidecem quando elogiam meus pequeninos feitos, no entanto, grandiosos, pois buscam a conquista da JUSTIÇA e de uma série de outros valores que os sábios e estudiosos das relações humanas classificam de um monte de coisa. Chico.

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Coisas que a idade nos concede - Não tenho inimigos!

Na missa das seis horas, o padre perguntou aos fieis, ao final da homilia: - Quantos de vocês já conseguiram perdoar seus inimigos? A maioria levantou a mão. Para reforçar a visão do grupo, ele voltou a repetir a mesma pergunta, e então todos levantaram a mão, menos uma pequena e frágil velhinha que estava na segunda fileira, apoiada numa enfermeira particular. - Dona Marianinha? A senhora não está disposta a perdoar seus inimigos ou suas inimigas? - Eu não tenho inimigos! – respondeu ela, docemente. - Isto é muito raro! - disse o sacerdote, perguntando: - Quantos anos tem a senhora? - 98 anos! A turma presente na igreja se levantou e aplaudiu a idosa, entusiasticamente. - Doce Marianinha, a senhoria poderia vir contar para todos nós como se vive 98 anos e não se tem inimigos? - Com prazer. Aí aquela gracinha de velhinha se dirigiu lentamente ao altar, amparada pela sua acompanhante, ocupou o púlpito, virou-se de frente para os fiéis, ajustou o microfone com suas mãozinhas trêmulas e então disse em tom solene olhando para os presentes, todos visivelmente emocionados: - Não tenho inimigos porque já morreram todos, aqueles filhos da puta!

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Pressão por entrega do Viaduto pode prorrogar problemas pela cidade.

Redação Guarulhosweb 28/01/2010 10:57 Muito já se falou, principalmente neste Guarulhos Hoje, sobre o grande ônus que significa para a cidade o Viaduto Cidade de Guarulhos O próprio prefeito Sebastião Almeida (PT), pouquíssimo tempo após assumir o cargo, admitiu que a obra está cheia de erros de projetos e que ele não poderia responder por certas questões, sobre as quais não teria qualquer responsabilidade. Mesmo assim, manteve no mesmo cargo o secretário de Obras, João Luiz Neto, do ex-prefeito Elói Pietá (PT), de certa forma, o verdadeiro pai do Viaduto. Porém, mesmo que se ignore o peso que teve Elói Pietá na eleição municipal de 2008, quando o ex-prefeito entrou de cabeça na campanha, tornando-se o principal cabo eleitoral do atual prefeito, sob o signo da continuidade, Almeida corre – ao fazer de tudo para inaugurar o malfadado Viaduto até julho, como vem prometendo – corre o sério risco de comprometer outros segmentos da administração. Somente nestes primeiro mês do ano, até anteontem, a Prefeitura já havia remanejado mais de R$ 13,5 milhões do orçamento deste ano para obras no sistema viário, sendo que boa parte deste dinheiro está sendo usado justamente para terminar o Viaduto. Dos R$ 7,7 milhões transferidos na semana passada, nada menos do que R$ 6,7 milhões foram subtraídos da classificação orçamentária para ampliação e modernização do sistema de drenagem urbana. Em outras palavras, a Prefeitura está tirando verbas que seriam utilizadas em planos de combate a enchentes, construção de galerias, para terminar uma obra que já deveria estar concluída e paga. Nunca é demais lembrar que Pietá contratou o Viaduto por R$ 31,8 milhões em 2006, com prazo de conclusão estimado para 2008. A Camargo Corrêa, construtora que venceu a licitação, não só deixou de entregar a obra completa, como conseguiu aditamentos que elevaram o custo para R$ 42 milhões. Deste valor, o município ainda deve perto de R$ 5 milhões, que a empresa faz questão de receber. Mesmo assim, o Viaduto - para ser concluído - deve consumir cerca de R$ 60 milhões, assim mesmo sem resolver os problemas para o qual foi concebido. Devido ao projeto muito mal elaborado, Guarulhos ainda terá que gastar mais dinheiro em obras complementares, como um acesso decente à pista Rio-São Paulo da rodovia Presidente Dutra e uma solução para o cruzamento das avenidas Paulo Faccini e Monteiro Lobato, logo ao "pé" do Viaduto. Ou seja, com os recentes repasses para a conclusão da obra do Viaduto, fica evidente que o prefeito quer resolver logo este problema. Porém, Almeida precisa tomar um cuidado a mais para não tirar dinheiro de outras áreas prioritárias. Não parece ser uma solução inteligente, neste momento em que se batem recordes de chuvas, com inundações por todo o município quase que diariamente, transferir verbas que iriam para os sistemas de drenagem. Também não seria justo tirar dinheiro da saúde e educação, bem como do saneamento básico, para enterrar nesta obra. Pensando bem, não é certo tirar um centavo sequer de qualquer outra pasta para concluir este elefante mal planejado, executado e - pelo andar da carruagem - mal concluído. Se houvesse maior seriedade, a conta seria cobrada daqueles que não cuidaram direito do dinheiro público. A construtora deveria ser obrigada a honrar o contrato, assim como o ex-prefeito precisaria pagar por tanta falta de planejamento.

MP abre inquérito para apurar a criação de cargos no Ipref.

Wellington Alves 28/01/2010 09:36 MP instaura inquérito contra Ipref para apurar criação de cargos comissionados O Ministério Público do Estado de São Paulo instaurou inquérito civil contra o Instituto de Previdência dos Funcionários Públicos Municipais de Guarulhos (Ipref) para apurar irregularidades na criação dos cargos de consultor jurídico e procurador. Pela legislação vigente essas funções deveriam ser preenchidas por servidores concursados, ao invés de comissionados, de livre nomeação do prefeito. No dia 11 de fevereiro, o promotor de justiça, Zenon Lotufo Tertius, se reunirá com o presidente do Ipref, Luis Carlos dos Santos, para propor um Termo de Ajuste de Conduta (TAC). Uma das opções seria a definição de um prazo para a autarquia municipal convocar concurso público para as vagas em questão, deixando os atuais ocupantes nos cargos até serem escolhidos os novos profissionais. "Isso evitaria que os serviços deixassem de ser prestados. O que posso dizer é que não vamos negociar a continuação das irregularidades", destacou Tertius. Caso não consiga o TAC, o MP deve entrar com uma ação civil na 2ª Vara da Fazenda Pública. A assessoria de imprensa do Ipref informou que o órgão está analisando a abertura de concurso público. Atualmente, existe uma pessoa em cada um dos cargos. O instituto defendeu que os funcionários que ocupam as funções de consultor jurídico e procurador são servidores efetivos e concursados, que trabalham no Ipref há mais de 13 anos, com conduta íntegra, e podem voltar para os seus cargos de origem. O MP instaurou inquérito contra o Ipref, após representação do servidor Élson de Souza Moura, ex-presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Administração Pública (Stap) de Guarulhos. A Associação dos Procuradores Concursados do Município de Guarulhos conseguiu em 2008 uma liminar para que a Prefeitura eliminasse a livre nomeação de consultores jurídicos, para que apenas concursados assumissem a função. A determinação foi cumprida nas secretarias municipais, porém o mesmo não ocorreu no Ipref. Moura admite mantém uma disputa judicial com o instituto por conta de uma cirurgia e tratamento pagos pelo órgão, que o Ipref quer a verba de volta. Apesar disso, ele afirma que isso não o influenciou a ingressar na Promotoria. "Pela Lei Orgânica do Município a carreira jurídica deve ser assumida por concursados e o Ipref desrespeita isso", justifica.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Secretaria não responde perguntas sobre solução para viaduto da cidade.

Wellington Alves 27/01/2010 09:25 Em audiência pública, secretário de Obras admitiu que solução seria túnel que passaria sob avenida Monteiro Lobato A Secretaria Municipal de Transportes e Trânsito não respondeu ao Guarulhos Hoje sobre a conclusão do estudo de elaboração de projeto básico e executivo para implantação de acessos da pista local para a rodovia Presidente Dutra, nas imediações do Viaduto Cidade de Guarulhos. Em audiência pública no dia 4 de novembro de 2009, o secretário de Obras, João Marques Luiz Neto, admitiu que a solução seria um túnel que passaria sob a avenida Monteiro Lobato. A Prefeitura de Guarulhos contratou a EPT Engenharia e Pesquisas Tecnológicas, em 28 de agosto, por R$ 925 mil para fazer o estudo que resolveria o problema gerado pela administração do ex-prefeito Elói Pietá (PT) que decidiu abreviar o viaduto para antes do cruzamento com a Monteiro Lobato, em direção à Paulo Faccini. O projeto deveria ser finalizado no mês passado. O GH questionou ainda se há como fazer um acesso, no caso o túnel, com o córrego dos Japoneses que passa embaixo da Paulo Faccini, entretanto, também não houve retorno. Na audiência, Neto explicou que a atual estrutura do viaduto, quando ficar pronta, servirá para conter o trânsito somente até 2015, sendo necessário a elaboração de uma alternativa para prolongar esse período. Para o vereador Romildo Santos (PSDB), integrante da Comissão de Trânsito e Transportes da Câmara Municipal, a contratação da EPT revela que não houve planejamento na construção do viaduto. "Gastar quase R$ 1 milhão para consertar um erro saiu caro para a cidade." O Viaduto Cidade de Guarulhos foi licitado em 2006 por cerca de R$ 31,8 milhões, em concorrência vencida pela Camargo Correa. Após conseguir os reajustes de 2007 e 2008 e o aditamento, o valor subiu para aproximadamente R$ 42 milhões. Em setembro do ano passado a empresa abandonou a obra, entregando apenas a via, sem construir a segunda alça de acesso à Dutra. A Prefeitura contratou a Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos (Proguaru) por cerca de R$ 14 milhões para fazer a alça, mais R$ 10 milhões para a JZ Engenharia e Comércio para concluir a obra. Ao todo, serão gastos R$ 63 milhões, considerando que a administração municipal não pretende pagar os últimos R$ 5 milhões para a Camargo Correa. Após a elevação dos custos e constantes atrasos no término, o prefeito Sebastião Almeida prometeu entregar a via elevada até o final deste semestre.

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Ministério renova certificado do Ipref apesar de balancetes não aprovados.

Wellington Alves - Foto: Ana Paula Almeida 26/01/2010 08:41 Com renovação de certificado do Ipref, município garante verbas federais O Ministério da Previdência Social (MPS) renovou o Certificado de Regularidade Previdenciária (CRP) de Guarulhos, o que garante que o município continue recebendo recursos federais, mesmo sem a aprovação dos balancetes do Instituto de Previdência dos Funcionários Públicos Municipais de Guarulhos (Ipref). No ano passado, o conselho administrativo do órgão reprovou os balanços entre janeiro e abril de 2009, o que colocava em risco o recebimento de verbas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), Orçamento Geral da União (OGU) e Programa Minha Casa, Minha Vida. O CRP guarulhense foi emitido em 18 de janeiro e tem validade até julho deste ano. Os conselhos administrativo e fiscal do Ipref criaram uma comissão interna que têm até 31 de março para aprovar as contas do ano passado. Caso sejam reprovadas, o município pode não renovar o CRP novamente, impedindo que a Prefeitura receba recursos federais no segundo semestre. Segundo o presidente do Ipref, Luís Carlos dos Santos, o MPS aprovou a regularidade previdenciária de Guarulhos, baseada em outros critérios, sem contar os balancetes. "Temos um rol de documentos para comprovar a regularidade do instituto." Ele demonstrou confiança de que a cidade não corre o perigo de perder o CRP futuramente. "Temos tempo para corrigir o que for necessário. A nossa interpretação é que com uma maior análise vamos sanar as dúvidas que possam aparecer." No final do ano passado, Santos publicou instrução normativa para facilitar a prestação de contas. Pelo documento, os servidores podem ter adiantamento autorizado pelo presidente do Ipref, mediante emissão de chegue nominal ao servidor responsável. Essa verba pode ser utilizada para pagamento de viagens, taxas, custas judiciais e reproduções de documentos. O dinheiro deve ser gasto em 30 dias e haverá prazo do mesmo período para constar no balanço. Antes, os funcionários recebiam dinheiro e cheques para usar em coisas para o próprio Ipref, conduta questionável juridicamente. Apesar de a Prefeitura ter conseguido renovar o CRP, o presidente da Comissão de Administração e Funcionalismo Público da Câmara Municipal, vereador Ricardo Rui (PPS), pretende abrir uma Comissão Especial de Inquérito para apontar irregularidades no Ipref. "Trocaram conselheiros na marra para aprovar as contas. É uma conduta falsa."

domingo, 24 de janeiro de 2010

" HÁ, HE, HI, ROBIN WILLIAMS.

Vejam o que Danilo Gentili , do CQC , escreveu a respeito da piada de Robin Williams sobre o RJ e sua escolha como cidade-sede das Olimpíadas de 2016, no programa do David Letterman . " HÁ, HE, HI, ROBIN WILLIAMS Uns anos atrás, os Simpsons vieram pro Brasil. Homer foi sequestrado. Bart ficou excitado com a loira de short enfiado na bunda que apresentava um programa infantil na TV. O menino pobre que a Lisa ajudou não tinha o que comer, mas estava muito feliz desfilando no Carnaval.
Esses dias, Robin Willians falou o seguinte: "Claro que o Rio ganhou de Chicago a sede das Olimpíadas. Chicago levou Michele e Oprah e o Rio levou 50 strippers e 500g de cocaína". Eu ri!
Advogados, autoridades e populares se revoltaram nos dois casos. Eles não se revoltam, não se mobilizam, não processam, não abrem inquéritos, não fazem passeatas quanto ao sequestro, pouco importa a loira vagabunda apresentadora de programa infantil, a idiotice do carnaval, o tráfico de drogas e a prostituição que acontecem na vida real bem debaixo do nosso nariz.
Eles se revoltam só quando usam isso pra fazer piada.
A piada realmente boa sempre ofende alguns e mata de rir outros por um motivo simples: a boa piada sempre fala de uma verdade.
Num País onde aprendemos a mentir, enganar, roubar, tirar vantagem desde cedo, a verdade não diverte: assusta. O cara engraçado pro brasileiro é sempre aquele que fala bordões manjados, dá cambolhatas no chão em altas trapalhadas, conta piadas velhas, imita o Silvio Santos e outras personalidades ou faz um trocadilho bobo mostrando ser um ignorante acerca dos assuntos. Esses bobos passivos nos deliciam porque não incomodam ninguém! Um cara que faz um gracejo com uma verdade inconveniente pro brasileiro é como o alho pro vampiro - merece ser execrado.
O brasileiro é uma gorda de 300 quilos que odeia ouvir que é gorda. Ela faz um regime pra parar de ouvir isso? Não! Regime e exercício dão muito trabalho. É mais fácil ir ao shopping, comprar roupa de gente magra, vestir e depois acomodar a bunda na cadeira do McDonalds. O problema é que nem todo mundo é obrigado a engolir que aquela fábrica de manteiga é Barbie, só porque está com a roupa da Gisele Bundchen. Então é inevitável que mais hora, menos hora, alguém da multidão grite: "Volta pro circo!" ou "Minha nossa! É o StayPuff com o maiô da Dayane dos Santos?". Então a gorda chora. Revolta-se. Faz manha... Ameaça. Processa. Porque, embora ela tenha tentado se vestir como uma magra, no fundo, a piada a fez lembrar que ela é mais gorda que a conta bancária do Bill Gates. A autoestima dela tem a profundidade de um pires cheio de água.
Ao invés de dizer que "Robin Williams tem dor de corno", prefeito do Rio, vá cuidar primeiro da sua dor de mulher de malandro. Sabe? Mulher de malandro, sim, aquela que apanha, apanha, apanha mas engole os dentes e o choro porque acha que engana a vizinha dizendo: “Eu tenho o melhor marido do mundo”.
Advogados. Vocês já são alvo de piadas por outros motivos. Já que se incomodam com piadas, evitem ser alvo de mais algumas delas, não processando Robin Williams. Em vez de processo, envie pra ele uma carta de gratidão. Pense que ele estava num dos melhores programas de TV do mundo e só falou de puta e cocaína. Ele poderia ter falado por exemplo, que o turista que vier pra Olimpíadas se não for roubado pelo taxista, o será no calçadão.
Poderia também ter dito que o governo e a polícia brasileira lucram com aquela cocaína do morro carioca que ele usou na piada. E se ele resolvesse falar algo como: “As crianças do Brasil não assistirão às Olimpíadas porque estarão ocupadas demais se prostituindo”?
Ah... E se ele resolvesse lançar mais uma piada do tipo: “ Brasileiro é tão estúpido, que se preocupa com o que um comediante diz, mas não se preocupa com o que o político em quem ele vota faz ...”.
Enfim... são muitas piadas que poderiam ter sido feitas. Quem é imbecil e se incomoda com piada, não seja injusto e agradeça ao Robin Williams porque ele só fez aquela. E depois brasileiro insiste em fazer piada dizendo que o português é que é burro." "Não esmoreça e nem desista. Trabalhe duro! Afinal, milhões de pessoas que vivem do Bolsa-Família, sem trabalhar, dependem de você! " Fonte:

sábado, 23 de janeiro de 2010

Servidores reivindicam agilidade na revisão dos planos de carreira.

Wellington Alves 23/01/2010 11:08 Nenhum plano de carreira de qualquer categoria do funcionalismo público municipal foi revisado em 2009. A perspectiva neste ano é que as conversas avancem na Comissão Permanente de Negociação (CPN), formada por membros da Prefeitura de Guarulhos e do Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública Municipal (Stap). De concreto, apenas que o plano do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) foi concluído e deve ser encaminhado a Câmara Municipal. Já outros, como o da Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos (Proguaru), ainda nem começou a ser discutido. Para o presidente do Stap, Jair de Souza Lima, as negociações no ano passado evoluíram pouco por causa dos representantes do governo. "Eles colocavam dificuldades para emperrar o processo". Por 2010 ser ano eleitoral, e os trabalhos legislativos terem a tendência de ocorrer em velocidade mais lenta no segundo semestre, o dirigente entende que é necessário fechar os acordos e votalos até junho. A Secretaria de Administração e Modernização confirmou que a revisão do plano do Saae está em fase de conclusão e deve ser encaminhado em breve para a Casa de Leis. Já as revisões na Saúde, Educação e Assuntos de Segurança Pública seguem em andamento. As demais, no caso, Proguaru e o geral dos demais servidores da Prefeitura, ainda não começaram. No caso dos servidores da Educação, o principal debate gira em torno dos agentes de desenvolvimento infantil (ADI). Eles querem redução da jornada de trabalho de 33 para 30 horas, além de equiparação salarial aos professores. Na Guarda Civil Municipal (GCM), o desejo dos servidores é aumento de 30% do risco atividade. Porém, a reivindicação foi rechaçada pelo Governo. A Prefeitura ainda não fechou o plano geral dos servidores, mas prometeu apresenta-lo ao Stap em breve. Já a Proguaru contratará uma empresa para rever os planos e só deve apresentar uma proposta no fim deste semestre. Outro debate que deve causar polêmica é o dos funcionários da Secretaria da Saúde. A administração municipal quer que a população avalie os serviços. Dependendo do resultado, reverterá em aumento de salário para os servidores. O Stap é contra a medida. "O funcionário não tem computador, papel ou estrutura para trabalhar. Daí o munícipe pode dar uma nota ruim pela falha no atendimento, quando o responsável é a Prefeitura e não o servidor", explica Lima.

Investigado pela PF, presidente da Casa da Moeda é multado em R$ 3,5 mi.

da Folha Online
A Polícia Federal investiga o presidente da Casa da Moeda do Brasil, Luiz Fernando Denucci, que foi multado em R$ 3,5 milhões por movimentar valor 20 vezes maior que o seu rendimento. De acordo com reportagem publicada pela revista "Istoé" desta semana, a Receita Federal quer saber como ele enviou R$ 1,79 milhão de uma conta de Miami, nos Estados Unidos, para sua conta-corrente no Brasil. De acordo com a reportagem, a Polícia Federal também descobriu que, por três anos, Denucci fez movimentações financeiras que superavam em mais de dez vezes seus rendimentos declarados. Além disso, investiga como ele conseguiu ampliar em 15 vezes seu patrimônio pessoal em um espaço de apenas seis anos. Ainda segundo a reportagem, fontes da PF dão conta de que entre 1998 e 2004 o patrimônio declarado de Denucci saltou de R$ 200 mil para R$ 3 milhões, sem que o economista apresentasse justificativas. Só em 2000, o presidente da Casa da Moeda teria movimentado um volume de recursos 21 vezes superior (R$ 3,1 milhões) aos seus rendimentos apresentados ao Fisco (R$ 145 mil), segundo a reportagem. Em 2003, Denucci declarou rendimentos de R$ 200 mil, mas movimentou R$ 1,3 milhão. E, em 2004, a declaração de renda apontava R$ 236 mil de ganhos enquanto, mais uma vez, R$ 1,3 milhão foi movimentado por ele. Indicado à presidência da Casa da Moeda pelo PTB em 2008, Denucci teria chamado a atenção das autoridades fazendárias após transferir do Exterior para a sua conta-corrente no Brasil a quantia de R$ 1,79 milhão sem declarar. A descoberta, ainda segundo a reportagem de "Istoé", foi feita por acaso quando a Polícia Federal investigava servidores que utilizavam as extintas contas CC5 para movimentar dinheiro no Exterior. O presidente da Casa da Moeda alega que o montante é resultado de um empréstimo. "Tudo não passa de uma manipulação grosseira para tentar derrubar meu cliente da presidência da Casa da Moeda do Brasil. [...] O que houve foi internação do dinheiro, fruto de um empréstimo", disse à revista o advogado de Denucci, Edson Ribeiro. O advogado pediu habeas corpus preventivo para o presidente da Casa da Moeda, mas o Supremo Tribunal de Justiça rejeitou o pedido. A Polícia Federal, agora, aguarda o fim do processo administrativo ao qual Denucci responde na Receita Federal para instaurar inquérito policial por sonegação. Procurados pela revista, o líder do PTB na Câmara, deputado Jovair Arantes (GO), admite que seu partido apadrinhou a indicação de Denucci para presidente da Casa da Moeda, "mas o nome dele foi aprovado pela Casa Civil da Presidência da República". Já o presidente nacional do PTB, ex-deputado Roberto Jefferson, que endossou a indicação do presidente da Casa da Moeda, informou que ele só poderá dar entrevistas sobre o caso a partir de fevereiro.

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Com a palavra o Digníssimo Prefeito.

CONSELHO FISCAL DO IPREF CONVOCAÇÃO PARA ASSEMBLÉIA ORDINÁRIA
O Presidente do Conselho Fiscal do Instituto de Previdência dos Funcionários Públicos Municipais de Guarulhos, nos termos dos artigos 11 e 15 do Regimento Interno, CONVOCA os senhores Conselheiros Titulares e CONVIDA os Conselheiros Suplentes para participarem da Assembléia Ordinária a realizar-se em 19/01/2010 na Sala dos Conselhos, em primeira convocação às 08h30 com a totalidade de seus membros titulares ou em segunda convocação às 09h00 com a maioria de seus membros titulares, sito à avenida Salgado Filho nº 1920 - Jardim Santa Mena, para deliberar sobre a seguinte pauta: 1) Leitura e aprovação da Ata da Assembléia Ordinária realizada em 15/12/2009; 2) Análise e discussão dos pareceres prévios emitidos até junho/2009; 3) Análise de balancetes encaminhados; 4) Demais assuntos pertinentes ao Conselho e ao IPREF. Guarulhos, 14 de janeiro de 2010. Carlos Eduardo Moreira Presidente do Conselho Fiscal

TSE vai analisar em fevereiro ação da oposição contra Lula e Dilma.

GABRIELA GUERREIRO da Folha Online, em Brasília O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) vai analisar somente a partir de fevereiro a representação protocolada por partidos de oposição para que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a ministra Dilma Rousseff (Casa Civil) sejam investigados por suposta propaganda eleitoral antecipada. Como o Poder Judiciário está de recesso até o dia 1º de fevereiro, o texto será analisado na retomada dos trabalhos. O tribunal designou o ministro Joelson Costa Dias para relatar a representação contra Lula e Dilma. Esta é a quinta vez que os oposicionistas recorrem à Justiça para impedir a "ilegalidade e o uso de dinheiro público pela pré-candidata petista". A única ação que obteve resposta até agora foi a primeira, que questionou a marcha dos prefeitos --mas foi negada por falta de provas. Segundo os partidos, Lula e Dilma descumpriram a lei eleitoral durante inauguração de uma barragem na cidade de Jenipapo, em Minas Gerais, na última terça-feira. Em outubro do ano passado, as três legendas já haviam questionado na Justiça a viagem do presidente, acompanhado da ministra, às obras de transposição do rio São Francisco. "O deboche com que o presidente da República trata o regime de leis do país é algo inusitado, nunca visto na história do Brasil. Nunca tivemos uma falta de vergonha como essa", disse o presidente do PPS, Roberto Freire. Na terça-feira, Dilma e Lula inauguraram um campus universitário em Araçuaí (MG) e a barragem de Setúbal, em Jenipapo de Minas (MG). Nesta última, a cerimônia de inauguração contou com o serviço de um dos mais tradicionais buffets de Belo Horizonte, o Celia Souto Mayor. As cerca de 3.000 pessoas que compareceram à cerimônia, organizada pelo governo federal, tiveram à sua disposição canapés, mini hambúrgueres e salgados. Refrigerante e água mineral gelados também eram oferecidos à população de Jenipapo de Minas e municípios vizinhos, em seis mesas montadas sob a tenda erguida exclusivamente para a cerimônia de inauguração da obra. Em seu discurso, o presidente disse que vai inaugurar "o máximo de obras possível" até março, antes que Dilma e o ministro Geddel Vieira Lima (Integração Nacional) deixem o governo federal para disputar as eleições. Para a oposição, Dilma e Lula usam os eventos oficiais para fazer campanha eleitoral com dinheiro do contribuinte. Segundo a oposição, desde que Lula escolheu Dilma como candidata, ela o acompanha em viagens no país e no exterior, já que não tem nenhuma experiência eleitoral e a esperança do PT é conseguir transferir votos que poderiam ser do presidente para ela. Porém, para a oposição, essas viagens violam a legislação eleitoral porque configura propaganda eleitoral antecipada. "A infração é tão clara que o próprio presidente Lula declarou-a em várias ocasiões", diz o partido em nota.

A NEGOCIATA COM OS RAFALES: EIS O GRANDE ESCÂNDALO.

Não fosse essa espécie de abdução coletiva a que estamos todos submetidos, com “O Cara” deitando e rolando sobre as instituições — e a moralidade pública — , o caso dos caças Rafale seria tratado como aquilo que é: UM ESCÂNDALO, talvez o maior do governo Lula. Não é assim porque eu quero. É assim porque é. A Índia abriu uma concorrência internacional para a compra — ATENÇÃO!!! — de 126 caças. Valor que se dispõe a pagar a Força Aérea Indiana: US$ 10 bilhões. Seis modelos participaram da primeira rodada de seleção: os americanos F 18 e F 16, o Eurofighter Typhoon, o russo MiG 35, o sueco Gripen NG e o Rafale. Só um caça foi descartado no começo da disputa: o Rafale. Justificativa: não cumpria os requisitos mínimos de desempenho técnico exigidos pela Força Aérea Indiana.
Como vocês sabem, o Rafale é o caça que Lula decidiu comprar ao arrepio da recomendação da Aeronáutica, que é quem entende da área no Brasil. Lula, o Homem com o Isopor na Cabeça, é especialista em outros assuntos. Muitos indagarão: “Mas o escândalo está em ter a Força Aérea da Índia rejeitado o Rafale, que Lula quer comprar?” Não! Já contei onde está. É que a abdução em curso está nos impedindo de ver as coisas com a rapidez necessária. Já chego lá. Antes, algumas outras considerações. Ah, sim: depois de ler este post, você pode obter mais detalhes na concorrência indiana no site India Defence (http://www.india-defence.com/reports-4326). Sigamos.
Enquanto o Rafale esteva na concorrência, Nicolas Sarkozy, o camelô de aviões e marido de Carla Bruni, fez o mesmíssimo lobby que vem fazendo no Brasil. A diferença é que, na Índia, a avaliação é realmente técnica. Por lá, não basta apenas adular o imperador absolutista, dispensar-lhe rapapés, elegê-lo “o homem do ano”, para embolsar alguns bilhões. Desde o começo da concorrência, informam os sites indianos que trataram do assunto, o Rafale era considerado a pior alternativa entre — atenção! — SETE MODELOS.
A chamada grande imprensa, que a canalha petralha acusa de ser “antigovernista” (podem rolar de rir), se interessou pelo assunto? Que eu tenha achado, só o Estadão Online publicou um despacho da Reuters no dia 16 de abril (http://www.estadao.com.br/noticias/geral,caca-frances-avaliado-pela-fab-fica-fora-de-disputa-na-india,355921,0.htm) de ano passado. Depois o assunto sumiu. Como vocês sabem, a Força Aérea Brasileira também não quer o Rafale. Entre os três caças que avaliou, preferiu o sueco Gripen NG. Em segundo lugar, ficou o F-18. Em último, o avião francês. Como reagiu o governo do Homem do Ano do Le Monde? Considerou a hipótese de punir o que chamou de “vazamento” do relatório. Onde já se viu a Aeronáutica ficar se metendo com caças?
Celso Amorim, um gigante da filosofia, ainda maior por dentro do que por fora, deu-se a especulações metafísicas: “Às vezes, o barato sai caro”. Samuel Pinheiro Guimarães, o chefe da banda antiamericana do governo e da Sealopra, indagou se a gente compra um carro só pensando no preço… A mediocridade dessa gente é espantosa, especialmente quando tenta mimetizar Lula nas suas filosofadas e metáforas. O que, nele, aspira a um saber popular revela-se pelo que é na boca dos doutores: BOÇALIDADE PURA E SIMPLES.
E o escândalo, além do fato de que Lula anunciou o vitorioso quando a avaliação estava em curso??? Vamos lá. A Dassault, que fabrica os Rafales, se ofereceu para vender 126 caças à Índia por US$ 10 bilhões. Preço médio de cada avião: US$ 79.365.079,36. O Brasil está disposto a pagar R$ 10 bilhões por 36 aviões — ou US$ 5.681.818.181. Dividindo-se esse valor em dólar pelo número de aparelhos, chega-se ao custo unitário: US$ 157.828.282,82. Cada Rafale para o Brasil custa quase o que o dobro do que custaria para a Índia. Atenção: ESTAMOS FALANDO DO MESMO MODELO DE AVIÃO E DE CONCORRÊNCIAS FEITAS AO MESMO TEMPO.
Agora entendo o que o sr. Samuel Pinheiro Guimarães quer dizer quando afirma que a gente não compra um carro só pelo preço. No caso, parece que se compra também para agradar o fornecedor, não é mesmo? Que, sei lá, se não tiver o coração tão duro quanto o do faraó, dá ao menos um chaveiro de presente ao comprador. Já quanto a Amorim, o que pensar? Nem uma antítese tornada um clichê popular resiste a este monumento, logo involuindo para a tautologia: O CARO SAI CARO!
É incrível que um dos maiores negócios do governo Lula, com jeito, história e números de negociata, se faça sob o silêncio cúmplice de boa parte da imprensa e, como não poderia deixar de ser, da oposição.
Reinaldo Azevedo

Realidade Virtual!

O Dia - Aroeira

O DIREITO SÓ PODE SER ACHADO NA LEI.

"Ora, lei ruim tem de ser mudada, não atropelada. Também no jogo institucional, árbitro protagonista indica inadequação ou insuficiência dos jogadores. Entre os descontentamentos, o que rende mais desgastes ao STF tem origem em instâncias da própria Justiça, do Ministério Público e da Polícia Federal. Isso não acontece por acaso" Há a máxima do futebol segundo a qual árbitro bom aparece pouco. Depende. Se os jogadores ignorarem a bola e mirarem na canela dos adversários, então ele se torna protagonista da partida. Por que um embate com leis degenera em pancadaria? As razões são as mais diversas. Em que cultura se formaram os jogadores? Qual é o seu caráter? Eles respeitam as regras do jogo? Há reações duras e estridentes àquilo que alguns chamam "excesso de protagonismo" do Supremo Tribunal Federal (STF), tornado árbitro do jogo político. Os ministros são acusados de tolher prerrogativas do Executivo, de fazer leis em lugar do Legislativo, de imiscuir-se nas ações das polícias e de atropelar instâncias da própria Justiça. A reportagem que precede este artigo retrata bem esse ambiente. O STF nada mais faz do que reagir à hipertrofia do Executivo, que tende a usar a popularidade do mandatário de turno para atropelar a lei; à hipotrofia do Legislativo, acanhado pelo fisiologismo e pelo vício da subordinação; e ao açodamento de juízes, promotores e policiais, que entendem que o excesso do que chamam "garantismo" da legislação impede a "verdadeira justiça". Ora, lei ruim tem de ser mudada, não atropelada. Também no jogo institucional, árbitro protagonista indica inadequação ou insuficiência dos jogadores. Entre os descontentamentos, o que rende mais desgastes ao STF tem origem em instâncias da própria Justiça, do Ministério Público e da Polícia Federal. Isso não acontece por acaso. Será preciso fazer um pouquinho de história das idéias para chegar ao núcleo do problema. "O direito deve ser achado na lei, não na rua", afirmou, no dia 6 passado, o presidente do STF, Gilmar Mendes. Muitos distinguiram na frase apenas a oposição entre o vulgo e as lentes, entre o clamor público e o rigor judicioso. Era mais do que isso. Tenho cá comigo o Livro Vermelho, que é cinza, cujo conteúdo, se aplicado, representaria a desconstituição legal do Brasil. Trata-se de um conjunto de textos, de 1988, escritos pelos partidários do "Direito Achado na Rua", uma corrente do pensamento jurídico brasileiro. É a ela que Mendes alude em sua fala. O pai intelectual do estrupício é o advogado Roberto Lyra Filho (1926-1986), fundador do que ele proclamava ser a "Nova Escola Jurídica Brasileira" – nada menos... Mas que diabos quer a tal corrente, mais viva do que nunca e muito influente (Tarso Genro e até um ministro do Supremo já escreveram textos para o grupo)? Sua missão é se opor ao "legalismo", que estaria vincado pelas desigualdades de classe. Esse combate se dá com o exercício do "verdadeiro direito", só encontrado nos movimentos sociais, na "rua" – daí o nome-fantasia escolhido por seus partidários... ou sicários. Um juiz, um promotor ou um policial identificados com esse pensamento mandam às favas o texto legal – "Lei é coisa só para país civilizado", dizem – e optam por atalhos em nome dos "humilhados da terra". Lyra Filho era amigo de jovens. Gostava de se cercar de efebos do pensamento; a grei de noviços intelectualmente imberbes o idolatrava, ativíssimos entusiastas das idéias daquele Sócrates da luta de classes. O culto produziu valores e militantes, que, mais de vinte anos depois, ocupam não as ruas, mas os aparelhos de estado. Lyra Filho foi professor da Universidade de Brasília e é, hoje, um espectro a rondar o curso de direito da UnB, um verdadeiro celeiro do "jus-rueirismo", e de toda parte. Em 1982, ele escreveu o livrinho O que É Direito, da já mitológica coleção da Editora Brasiliense. Eram tempos em que só um esquerdista tinha autoridade intelectual para nos revelar o "é" da coisa – e, vocês sabem, ainda hoje não é muito diferente. Lembro que coube a Marilena Chaui, por exemplo, explicar O que É Ideologia. Ela fez uma glosa pobre do livro A Ideologia Alemã, de Karl Marx (1818-1883), e sentenciou que "ideologia" é coisa da direita. A esquerda, claro, tem só valores e verdades... Os dois livros continuam em catálogo. Lyra Filho é bibliografia obrigatória em muitos cursos de direito. Falar mal do seu pensamento é como chutar a santa... Partidário assumido das idéias do teórico comunista Antonio Gramsci (1891-1937), Lyra Filho incitava seus sequazes a desmoralizar a tradição jurídica e seus doutores, que ele chamava "catedr’áulicos". Num texto-bula dirigido aos jovens, diz como devem se comportar seus partidários: "A pressão libertadora não se faz apenas de fora para dentro, mas, inclusive, de dentro para fora, isto é, ocupando todo espaço que se abre na rede institucional do statu quo e estabelecendo o mínimo viável para maximizá-lo evolutivamente". Mais adiante, ele exalta aqueles que exploram "as contradições e porosidades do sistema legal, recorrendo à ILEGALIDADE NÃO-SELVAGEM [as maiúsculas são minhas], com lucidez e comedimento, isto é, em condições de pressão dosada, que força a absorção de pontos positivos pelo sistema dominante". Quem é íntimo da teoria política sabe: é puro Gramsci, autor de uma estratégia de tomada do poder, não de uma filosofia do direito. Haveria, então, uma espécie de "golpe jurídico" em curso, tramado pelo "jus-rueirismo"? Para alguns é agradável supor que estou aqui a exercitar teorias conspiratórias um tanto lunáticas. Não, não há – não da forma como convencionalmente se entende um golpe. O que temos é a atuação evidente de juízes, promotores e policiais, partidários do Direito Achado na Rua, incrustados na "rede institucional do statu quo", como queria Lyra Filho, para, "com lucidez e comedimento", praticar a "ilegalidade não-selvagem" em nome da "igualdade de classes". O Supremo percebeu que era hora de reagir a essa investida e bateu o martelo: "O direito deve ser achado na lei, não na rua". Aplausos, então, para o árbitro!
Reinaldo Azevedo

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

CUT prepara calendário de greves e ações pró-Dilma.

Braço do PT no movimento sindical, a CUT esboça sua “estratégia de mobilização” para o ano de 2010. Na pauta, um calendário de greves e ações de apoio à candidatura oficial da petista Dilma Rousseff. Nesta quinta, a CUT promove na sua sede, em São Paulo, uma reunião com representantes de outras centrais sindicais. Em texto levado à web, o presidente da CUT, Arthur Henrique (na foto lá do alto), explica o propósito do encontro: "Iremos formalizar um calendário com greves e paralisações, para pressionar os parlamentares e as empresas a adotar a redução da jornada sem redução de salário". Há outros projetos pelos quais o sindicalismo planeja pegar em lanças. Entre eles as leis do pré-sal e emenda que fixa a política de valorização do salário mínimo. Para o segundo semestre, a CUT programa um mergulho no universo da sucessão presidencial. Na última terça-feira (19), a central reuniu sua Executiva Nacional. Em texto veiculado no seu portal, o PT informa o que foi deliberado. A CUT deseja “mobilizar os trabalhadores e a sociedade” para “aprofundar as conquistas” do governo Lula e “impedir o retorno dos neoliberais”. Leia-se: antes mesmo da formalização das candidaturas, a engrenagem sindical do petismo já gira por Dilma Rousseff, contra José Serra. No próximo 1º de Maio, Dia do Trabalhador, a CUT vai lançar o que chama de “Plataforma da Classe Trabalhadora para as Eleições de 2010”. Deseja-se envolver sindicatos de todo país no esforço eleitoral. Ouça-se de novo o presidente da CUT: "Iremos promover ações em todo o Brasil para discutir o modelo de país que queremos e a importância de avançar no projeto democrático e popular." O ponto central da plataforma eleitoral da CUT é a “radicalização da democracia”. Coisa já esmiuçada em debates regionais e em três encontros nacionais. Arthur Henrique explica: "Não podemos deixar que a participação social seja meramente representativa, por meio do processo eleitoral”. A frase faz supor que, para a CUT, o modelo atual, em que a sociedade vai às urnas para escolher os seus representantes, tornou-se insuficiente. Segundo o presidente da entidade, é preciso regulamentar “instrumentos tais como plebiscitos e referendos”. Mais: assegurar a participação direta da sociedade na elaboração do “orçamento público” e –tchan, tchan, tchan, tchan- “o controle social sobre os meios de comunicação". No pedaço da reunião de sua Executiva em que discutiu a conjuntura política, a direção da CUT analisou a reação ao Programa Nacional de Direitos Humanos. Trata-se daquele documento que incluiu da revisão da lei de anistia à criação de comissões para mediar, à margem do Judiciário, a reintegração de posse de terras invadidas. Para Arthur Henrique, a "reação da direita" ao programa "é uma pequena amostra da disputa acirrada que teremos em 2010". No rol dos direitistas, a CUT inclui: “Setores retrógrados do empresariado, dos militares e dos meios de comunicação”. Se tudo der certo para a CUT, um punhado de greves será salpicado na folhinha eleitoral de 2010. E um discurso pós-ideológico ganhará o meio-fio. Parece improvável. Mas, admitindo-se que ocorra, é de perguntar: a central trabalha mesmo por Dilma ou trama a eleição de Serra? Não é demasiado recordar: Lula só virou presidente depois de beijar a cruz do mercado numa Carta aos Brasileiros, abandonar o lero-lero socialista, aparar a barba e vestir Armani. Escrito por Josias de Souza às 07h35

PT agora diz que Sérgio Guerra é o jagunço do Serra.

O número de ofensas trocadas entre PT e PSDB cresce na proporção em que diminuem as idéias.
Nesta quinta (21), teve prosseguimento a guerra de notas iniciada há 72 horas. Coube ao PT o penúltimo disparo. Em verdade, um revide ao chumbo que o presidente do PSDB dirigira na véspera a Dilma Rousseff. Acusara-a de usar “a mentira como método”. No seu novo texto, o PT anota que Sérgio Guerra dirigiu-se a Dilma de “forma desqualificada, vil, caluniosa e grosseira”. Em seguida, Ricardo Berzoini e José Eduardo Dutra –presidente e presidente eleito do PT— esmeram-se na vileza e na grosseria: “O que mais salta aos olhos é a hipocrisia do candidato do PSDB, José Serra...” ...Ao mesmo tempo em que afirma estar ‘concentrado no trabalho’ e que ‘não vai entrar nenhum bate-boca eleitoral de baixaria’...” “...Usa o presidente do seu partido como um verdadeiro jagunço da política para divulgar uma nota daquele teor”. Diz-se que o PSDB já está redigindo uma resposta. Vai dizer que Dilma ronca e tem chulé. E o PT, abespinhado, dirá que Serra tem um bafo esquisito e fuma escondido. Aguardem! - Atualização feita às 18h14 desta quinta (21): O PSDB divulgou nova nota. Assina-a o secretário-geral do partido, deputado Rodrigo de Castro (MG). Informa que o tucanato decidiu processar Berzoini e Dutra por calúnia e difamação. Para o partido, ao chamar o pernambucano Sérgio Guerra de "jagunço", o PT incorreu em "preconceito contra o povo nordestino". Escrito por Josias de Souza às 17h20

Centrais sindicais preparam apoio a Dilma para junho.

As seis centrais sindicais do país firmaram uma aliança para a sucessão presidencial de 2010. O movimento é encabeçado pela CUT (Central Única dos Trabalhadores) e pela FS (Força Sindical). Inconciliáveis no passado, as duas entidades gravitam, hoje, na órbita dos cofres do governo Lula. Na presidência da CUT, o petista Arthur Henrique. No comando da FS, o deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força. Paulinho é filiado ao PDT, o mesmo partido do ministro Carlos Lupi (Trabalho). A Executiva da legenda aprovou, há dois dias, o apoio a Dilma. Reunidos em São Paulo, na sede da CUT, os líderes das centrais concluíram que, juntos, elevam sua capacidade de influir nos rumos da eleição. Marcaram para o dia 1º de junho uma “Conferência Nacional da Classe Trabalhadora”. Reunirá sindicalistas de todo o país. Nesse encontro, será aprovado um documento com as propostas do movimento sindical para o governo a ser instalado em 2011. Em texto levado à web, o presidente da CUT, Arthur Henrique, refere-se ao documento como uma “agenda positiva”. Um elenco de sugestões “a ser apresentado à candidatura das forças democráticas e populares”. Leia-se Dilma Rousseff. Por que a preferência por uma das candidaturas? Ouça-se o presidente da CUT: “As centrais são autônomas e independentes, mas tem lado...” O lado “...dos trabalhadores, da defesa de um projeto de desenvolvimento para o país com valorização do trabalho e distribuição de renda...” “...A direita [leia-se PSDB, de José Serra] nunca abriu espaços para os trabalhadores...” “...Pelo contrário, sabemos o que representa: privatização, desmonte do Estado, arrocho salarial, precarização e desemprego”. Além de CUT e FS, incorporaram-se à estratégia eleitoral do sindicalismo outras quatro centrias: 1. CTB: Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil. 2. CGTB: Central Geral dos Trabalhadores do Brasil. 3. UGT: União Geral dos Trabalhadores. 4. NCST: Nova Central Sindical de Trabalhadores. Wagner Gomes, presidente da CTB, disse que, na conferência marcada para junho, será definido o apoio a um dos presidenciáveis. Alguém que “dê continuidade ao projeto político implementado” sob Lula e “aprofunde o processo de mudanças”. Leia-se, de novo, Dilma. Planeja-se converter a pajelança sindical num ato grandiloquente. A coisa acontecerá em São Paulo. A CUT fala em arrastar para a cidade “dezenas de milhares de dirigentes e militantes sindicais.” A CTB arrisca um número: “Mais de 10 mil lideranças sindicais de todo Brasil”. De resto, os mandachuvas das centrais sindicais agendaram para 2 de fevereiro, em Brasília, uma “vigília”. Nesse dia, o Congresso reabre os seus trabalhos. Seus corredores serão tomados por cerca de três centenas de sindicalistas. Vão pressionar os congressistas para que aprovem o projeto que reduz a jornada de trabalho para 40 horas semanais. Sem poda de salários. Para sensibilizar os empresários para a mesma causa, programam-se greves. Eis o que diz o presidente da CUT: “Nossa orientação para as categorias que estão em campanha salarial, como os metalúrgicos, químicos e comerciários, é que joguem peso nas mobilizações e nas greves.” Escrito por Josias de Souza às 19h08

Deputado da meia pede que STF lhe devolva o cargo.

O presidente afastado da Câmara Legislativa do DF, Leonardo ‘Pé-de-meia’ Prudente, protocolou há pouco um recurso no STF. Pede que seja cassada a liminar da Justiça do DF que o afastou do comando do legislativo local. A notícia acaba de ser divulgada pelo Supremo na página que mantém no twitter. Trata-se da segunda tentativa de Parente de reaver o cargo. Deve-se o afastamento do deputado a uma decisão expedida no início da semana pelo juiz Vinícius Santos Silva, titular da 7ª Vara de Fazenda Pública do DF. A procuradoria da Câmara Legislativa já havia recorrido contra o despacho do magistrado no Tribunal de Justiça do DF, que manteve o afastamento. Daí o novo recurso ao STF, agora patrocinado pelos advogados do próprio Prudente.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Justiça decide afastar distritais do julgamento de processos contra Arruda.

MÁRCIO FALCÃO da Folha Online, em Brasília O TJ-DF (Tribunal de Justiça) do Distrito Federal decidiu nesta quarta-feira pelo afastamento de deputados distritais acusados de envolvimento em um suposto esquema de propina do julgamento dos processos de impeachment do governador José Roberto Arruda (sem partido). O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios protocolou uma ação civil pública solicitando que esses parlamentares fossem considerados suspeitos e que os suplentes assumissem os mandatos durante a votação dos pedidos de afastamento de Arruda. Dos oito distritais acusados de participação no esquema de arrecadação e pagamento de propina, a deputada Eurides Brito (PMDB) havia garantido uma vaga na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara. A comissão é a primeira instância responsável por avaliar os pedidos de impeachment. A ação do Ministério Público, assinada pela promotora Maria Rosinete de Oliveira Lima, envolve os deputados Aylton Gomes (PR), Benedito Domingos (PP), Benício Tavares (PMDB), Eurides Brito, Júnior Brunelli (PSC), Leonardo Prudente (sem partido), Rogério Ulysses (sem partido), Rôney Nemer (PMDB), além dos suplentes Berinaldo Pontes (PP) e Pedro do Ovo (PRP), que são citados no inquérito. Esses deputados também respondem a processo por quebra de decoro parlamentar na Câmara e podem ser cassados. A Casa só deve analisar as cassações em fevereiro. Presidência Ontem, o TJ-DF rejeitou o recurso da Câmara Legislativa do DF para manter o deputado Leonardo Prudente (sem partido) na presidência da Casa. Com a decisão, deferida pelo presidente do tribunal, Níveo Gonçalves, Prudente terá que ser afastado do comando da instituição. Hoje, ele foi notificado do afastamento e o comando da Casa foi repassado ao vice-presidente, Cabo Patrício (PT). Na decisão, Gonçalves diz que o afastamento de Prudente não afeta o andamento dos trabalhos na Casa. "Não vislumbro, pelo menos no presente momento, qualquer violação à ordem pública a ser corrigida por meio do remédio excepcional", diz o desembargador na decisão. O vice-presidente da Câmara Legislativa, Cabo Patrício (PT), considerou "estranha" a decisão da Procuradoria de recorrer, uma vez que a Casa ainda não tinha sido notificada oficialmente da decisão do TJ. "Essa situação é, no mínimo, estranha. A Casa, segundo todas as informações que nós tivemos, não foi comunicada oficialmente da decisão do tribunal de afastá-lo da presidência. Com isso, ele [Prudente] ainda continua como presidente", afirmou Patrício. O advogado de Prudente, Herman Barbosa, afirmou à Folha Online que só vai tomar qualquer medida contra o afastamento do parlamentar quando Prudente for informado oficialmente que deve deixar o comando da Câmara Legislativa. "Só posso tomar alguma decisão quando ele for comunicado oficialmente", afirmou. Segundo assessores, Prudente está fora de Brasília, por isso ainda não foi encontrado para a notificação. O deputado deve retornar hoje de Goiânia (GO), onde estaria resolvendo problemas familiares. Prudente, que foi flagrado guardando dinheiro nas meias no escândalo de corrupção no governo do DF, resiste em deixar a presidência porque ficaria mais vulnerável durante a tramitação dos dois processos de cassação que correm contra ele na Casa. A permanência do deputado também é encarada pela oposição como uma estratégia para garantir manobras favoráveis ao governador durante a análise dos pedidos de impeachment. Como Prudente se desfilou do DEM para evitar a expulsão, ele perdeu o direito de disputar a eleição de outubro e com isso não teria prejuízo político em atuar a favor de Arruda. Recurso A Câmara Legislativa do DF recorreu ontem ao TJ-DF para manter o deputado na presidência da Casa. De acordo com o tribunal, o documento --que pede a suspensão da liminar que determinou o afastamento de Prudente do cargo-- teria sido assinado pela Procuradoria da Câmara. Entretanto, o argumento utilizado não foi divulgado. Em resposta a uma ação popular, o juiz Álvaro Luis de A. Ciarlini, da 2ª Vara de Fazenda Pública do Distrito Federal, determinou anteontem o afastamento Prudente da presidência da Câmara local. Ciarlini fixou multa de R$ 100 mil caso Prudente não deixe imediatamente o comando da Casa. O deputado disse, por meio de assessores, que vai cumprir a decisão do juiz. No despacho, o juiz argumenta que existem fortes indícios de que o distrital teria cometido crimes "gravíssimos".

Câmara recorre em favor do ‘presidente pé-de-meia’

A procuradoria da Câmara legislativa do DF decidiu pegar em lanças pelo deputado Leonardo Prudente (ex-DEM). Protocolou no Tribunal de Justiça um recurso contra a decisão que determinara o afastamento de Prudente da presidência da Câmara. Prudente, como se sabe, é aquele deputado que fez nascer uma nova era na política brasileira. Trouxe à luz a fase pós-cueca (reveja lá no alto). Esperava-se que o próprio Prudente recorresse da decisão do juiz Álvaro Luis Ciarlini, que o afastara do posto. Ao tomar para si a defesa do indefensável, a Câmara como que assume sua dupla fisionomia –um misto de entreposto e caverna de Ali-Babá. Lugar sombroso. Aconchego amoral. Doce cheiro de safadeza no ar. Deputados selecionados vendem votos e etcétera, principalmente etcétera. - Atualização feita às 18h02 desta terça (19): Em decisão relâmpago, o Tribunal de Justiça do DF indeferiu o recurso da procuradoria da Câmara legislativa brasiliense. Assim, permanece de pé a decisão judicial que apartou o meeiro Leonardo Prudente da cadeira de presidente da Câmara. Alvíssaras! Escrito por Josias de Souza às 16h59

Jobim's Fashion Week!

O Dia - Aroeira.

Contas irregulares em Guarulhos não é privilégio do IPREF.

Contas irregulares em Guarulhos não é privilégio do IPREF, não é novidade, o desrespeito com a legislação atinge todos os níveis, o juramento de posse é pura balela, palavras ao vento. TCE rejeita contas do Município referentes a 2007 Wellington Alves - Foto: Arquivo/GH 19/01/2010 09:00 Prefeitura não paga precatórios e Tribunal rejeita contas de 2007 A Prefeitura de Guarulhos faz parte da metade das cidades paulistas que tiveram balanços rejeitados no ano passado pela falta de pagamento de precatórios. Em 1º de setembro de 2009 o Tribunal de Contas do Estado considerou irregular o exercício do orçamento da administração municipal em 2007, época que Elói Pietá era prefeito. Entre os principais motivos pela reprovação estão falta de pagamento de precatórios e a aplicação insuficiente em ensino. Segundo o presidente do TCE, Edgard Camargo Rodrigues, ao portal Uol Notícias, levantamento feito pelo tribunal revelou que aproximadamente metade dos municípios paulistas tiveram pareceres contrários às contas por atraso ou não pagamento de precatórios. No caso de Guarulhos, o parecer foi encaminhado à Câmara Municipal que deverá julgar a validade da decisão. De acordo com os relatores do TCE, o mapa orçamentário de 2007 de precatórios judiciais e requisitórios de baixa monta não foi pago, assim como 10% dos precatórios constituídos em exercícios anteriores. O valor total da dívida foi de R$ 384.178.740,22. Além dos precatórios, houve problemas da Prefeitura pela utilização insuficiente das verbas do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), que foram de 88,18%.O investimento total em ensino também foi abaixo do previsto, apenas 19% do orçamento total. O TCE orientou ainda que o governo municipal reveja o quadro de pessoal para eliminar possíveis irregularidades, especialmente para nomeação e manutenção de servidores em comissão, sob pena de remessa de peças ao Ministério Público. Sobre a não aplicação de recursos da educação, a Prefeitura justificou que o Tribunal de Contas levou em consideração, inovando em relação a outros anos, a despesa executada até janeiro de 2008 e não a despesa empenhada, os compromissos assumidos. Nos anos anteriores a referência utilizada era a despesa empenhada. Desta forma, a aplicação em educação caiu para menos de 25%. O jurídico da prefeitura já entrou com recurso. Segundo o líder da Oposição, Geraldo Celestino (PSDB), o ex-prefeito Elói Pietá deverá arcar com as consequências caso sejam confirmadas as irregularidades. "A obrigação do governo é investir 25% na educação." A Secretaria de Assuntos Jurídicos explicou que, em razão da recente Emenda Constitucional sobre precatórios, a Prefeitura está elaborando estudos para viabilizar o seu cumprimento. O Guarulhos Hoje procurou o ex-prefeito Elói Pietá para comentar a reprovação dos balanços de 2007, porém a assessoria de imprensa dele não conseguiu encontra-lo até o fechamento desta edição.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Justiça determina afastamento imediato do presidente da Câmara do DF.

Keila Santana Especial para o UOL Notícias
Em BrasíliaO juiz Álvaro Luis Ciarlini, da 2ª Vara de Fazenda Pública do Distrito Federal, concedeu liminar nesta segunda-feira (18) determinando o afastamento imediato do deputado Leonardo Prudente (sem partido) da presidência da Câmara Legislativa e do processo de julgamento do impeachment contra o governador José Roberto Arruda (sem partido), ambos envolvidos no escândalo de corrupção do mensalão do DEM. Para o magistrado, há nos autos um conjunto de elementos que constituem fortes indícios do cometimento de delitos "gravíssimos". "É indispensável que o Poder Judiciário se posicione, neste momento, com firmeza e assertividade sobre esses fatos que, se verdadeiros, podem ser considerados uma verdadeira tragédia imposta pela virtual (e ainda não cabalmente comprovada) irresponsabilidade, egoísmo e absoluta ausência de civismo das partes virtualmente implicadas nesses tristes episódios", escreveu. Leonardo Prudente foi flagrado colocando dinheiro nas meias, provindo de um suposto esquema de propina que ficou conhecido como mensalão do DEM de Brasília. O vídeo foi feito com ajuda do ex-secretário das Relações Institucionais do Distrito Federal, Durval Barbosa, que denunciou o esquema. Prudente afirmou que ainda não foi intimado, mas que "decisão judicial não se discute nem se comenta, cumpre-se". O juiz impôs uma multa diária de R$ 100 mil pelo não cumprimento ou demora no cumprimento da decisão.

Câmara de patifes, preferiu Edemar a dona Zilda.

Por Andre Araujo Em dezembro de 2001 a Camara dos Deputados tinha o direito a indicar dois nomes para o Conselho da Republica, orgão criado pela Constituição de 88 para dar assessoramento de alto nivel ao Presidente da Republica. O nome da Dra.Zilda Arns, fundadora da Pastoral da Criança, foi submetido à votação por um grupo de deputados, uma excelente sugestão. Não foi eleita. Teve apenas 94 votos e perdeu para um nome imbativel pelo seu alto nivel e prestigio, o Deputado Edmar Moreira, conhecido como “deputado do castelo”, que teve esmagadores 229 votos. O segundo mais votado foi o jurista Evandro Lins e Silva, com 113 votos. Edmar Moreira superou a médica benemerita e o famoso jurista, isso que é vencer, a Camara sabe escolher os bons. Autor: luisnassif - Categoria(s): Sem categoria Tags: Conselho da República, Edmar Moreira, Zilda Arns

domingo, 17 de janeiro de 2010

A popularidade de Lula entre o povo do campo.

Fonte: Bog do Josenildo - Caicó - R/N Na zona rural do município de Olho D’água do Borges, na região Oeste, encontro um senhor debulhando feijão no alpendre da residência. Seu Francisco, de 83 anos, me convida para sentar enquanto o pesquisador que me acompanha faz uma entrevista com a filha dele, numa casa vizinha. Pergunto se a safra na região foi boa e ele responde que o inverno generoso deste ano ajudou muito. Mas ressalta que a agricultura de subsistência está ficando para trás. “Se a gente fosse depender do que planta pra viver, tava todo mundo morrendo de fome”, diz o senhor. Mesmo prevendo a resposta, pergunto então de que sobrevive ele e os familiares que moram ao redor. “Se não fosse a aposentadoria (dele) e o dinheiro do governo a situação era muito difícil”. É de programas sociais do Governo Federal que vem a maior parte do sustento da família do aposentado. E pergunto o que ele acha do presidente Lula. “Meu filho, foi o primeiro presidente que olhou de verdade para os pobres. Só teve ele”, diz convicto. “Ele era pra ser presidente até morrer”, emendou. Nas diversas comunidades rurais que tenho andado pelo interior do Rio Grande do Norte e da Paraíba, realizando pesquisas, a opinião das pessoas do campo sobre Lula é idêntica à de Seu Francisco. Daí acredito que o círculo vicioso não acaba tão cedo. A perpetuação da miséria e o controle da opinião de quem sofre dela são certezas de sucesso eleitoral. Escrito por Josenildo Carlos às 10h39

O prazer do elogio;

Vez por outra, quando não agüento calado uma injusta agressão, especialmente quando ela acontece contra as pessoas em geral, ou seja, como o novo direito intitula: de forma “difusa e coletiva” via de regra, contra as que possuem pouca condição de reação, seja pelas deficiências intelectuais, pela falta de acesso aos meios ou mesmo pelo medo, utilizando do grito de guerra do 1º Grupo de Aviação de Caça da Força Aérea Brasileira e da FEB: “sento a pua pra ver se a cobra fuma”. No entanto, nada mais prazeroso do que poder elogiar belas e grandes atitudes, infelizmente cada dia estão mais escassas no mercado e, quando acontece, em sua grande maioria é deturpada pela bajulação, pela parcialidade ou pelo corporativismo. Infelizmente neste mundo onde o material se encontra acima de tudo, as boas notícias, os bons atos, a moralidade, a honra, as virtudes não vendem jornais, não rendem acessos, não faz sucesso, enfim, não dão ibope. Quero exaltar aos meus amigos que quando sou incisivo em minhas críticas não as faço por prazer, mas por dever de cidadania. Assim sendo, adoraria direcionar todas as minhas singelas e humildes palavras para elogiar os grandes atos dos homens e mulheres; especialmente aqueles que nascem, crescem e vivem o tempo todo falando que dedicam suas vidas ao povo, aos pobres aos miseráveis, no entanto, na realidade, dedicam suas vidas aos “eleitores” quando lhes é conveniente e quando lhes rendem benesses. Parabéns a dona Zilda Arns por dedicar seu trabalho e sua vida aos pobres, especialmente as crianças. Francisco Brito

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Veja a merda que o cônsul do Haiti no Brasil falou da desgraça que se abateu sobre seu povo. Que diplomata de merda!

Sem saber que estava sendo gravado, o cônsul do Haiti no Brasil, George Samuel Antoine, afirma que o terremoto que atingiu o país nessa semana pode ter sido causado por “macumba”. “Acho que de tanto mexer com macumba, não sei o que é aquilo…”. Antoine disse ainda que “o africano em si tem maldição”. No consulado, familiares procuram informações sobre parentesdesaparecidos no país caribenho. video

Este pessoal não respeita, não tem palavra e não merece respeito.

PCCS da Saúde Stap repudia imposição de Derman e cobra participação na elaboração do Plano Na época da última eleição para prefeito, em Guarulhos, nosso Sindicato enviou um documento a cada candidato, contendo as reivindicações apontadas pelos Servidores por meio de pesquisa. Todos os candidatos se comprometeram com as reivindicações, inclusive aceitando também a reivindicação por nós apresentada de que os assuntos referentes ao funcionalismo deveriam ser encaminhados por meio de diálogo, sem imposições. O então candidato Sebastião Almeida, que tinha como candidato a vice-prefeito Carlos Derman (atual secretário da Saúde), nos recebeu em seu comitê, leu o documento, fez perguntas, comentou alguns itens e assumiu: 1) Tratar com diálogo as questões do funcionalismo (para não incorrer nos erros do então prefeito Pietá, que se fechou a entendimentos); 2) Encaminhar até o final de 2009 todos os projetos referentes aos Planos de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) do funcionalismo municipal. Pois bem: o ano passou e a promessa não se realizou. E, agora, os Servidores da Saúde são surpreendidos por um comunicado - um “informativo” - da Secretaria de Saúde (cheio de gráficos e pretensão), anunciando que a “Avaliação de Desempenho” “será parte integrante do Sistema de Desenvolvimento dos Profissionais de Saúde” - seja lá o que isso queira significar. O “informativo” pegou o Sindicato - e os companheiros da Saúde - de surpresa, pois anuncia uma decisão unilateral, de uma “avaliação” que não foi discutida com o Servidor. Diante disso, o Sindicato vem afirmar: 1) O prefeito Almeida precisa manter o compromisso de dialogar com a categoria, longe das imposições de seu antecessor; 2) O Servidor tem o direito de saber que critérios prevalecerão na tal “avaliação”; 3) O Sindicato – e os Servidores – temem que prevaleçam critérios políticos, que não coloquem a real capacidade do Servidor em primeiro lugar; 4) Os Servidores rejeitam “avaliação” fechada, feita apenas por chefes. Usuário - Os Servidores da Saúde não temem eventual avaliação por usuários. Mas questionamos: o usuário tem conhecimento de que faltam funcionários, equipamentos e instalações adequadas. O usuário sabe que eventuais falhas estão mais ligadas a um sistema (ou política de saúde) do que a posturas individuais. O Servidor da Saúde de Guarulhos tem consciência de seu papel social e de sua responsabilidade perante os munícipes, principalmente em situações de doença, de dor ou de desconforto do usuário. Por isso, alerta: não vamos ser bode expiatórios de eventuais erros cometidos pelos “de cima”. E mais: exigimos que o secretário Derman reveja a atitude tomada, porque ela contraria o bom senso e joga por terra o compromisso assumido pelo então candidato Almeida. Portanto, o Sindicato cobra esclarecimentos de Derman, apoiado na Lei da CPN (6578/2009) - artigo 3: “Convocar qualquer representante da Administração Pública Direta e Indireta para prestar esclarecimentos ou responder a indagações, os quais deverão acatar os encaminhamentos definidos pela CPN, que poderá ainda estabelecer prazos para que respondam a questionamentos ou dirimam dúvidas relativas aos problemas profissionais ou de condições de trabalho individuais e coletivas da categoria”. Informações - Mantenha-se informado. Acesse nosso site: www.stapaguarulhos.org.br

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Planos econômicos que nos lesaram; você pode possuir uma boa grana para receber.

Amigos (as),
Colegas celetistas ou estatutários que tinham saldo no Fundo de Garantia por Tempo de Serviço no período de abril a junho/1987; janeiro a fevereiro 1989; março a maio / 1990 e fevereiro / 1991, tem direito a reajuste que vai de 26% a 44,80%. Para isso é necessário ingressar com ação na Justiça Federal. Maiores informações, entre em contato. Drª. Silvia 11 9246-2198.

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Vejam que situação Surreal. O nível deste assessor de imprensa de um senador da república e o seu pedido aos jornalistas do seu estado.

12 jan 2010 Assessoria de Garibaldi Alves Filho esclarece ao blog nota sobre frete de avião de Garibaldi Alves para almoço em Natal. - Publicado por Robson Pires, na categoria Notas às 10:58
http://www.robsonpiresxerife.com/blog/?p=45378#comments Caro Robson, bom dia. Meu nome é Everton Dantas; sou um dos assessores de imprensa do senador Garibaldi Filho e venho por meio deste e-mail responder a uma de suas perguntas feitas no post “Garibaldi Alves e Túlio Maravilha [Publicado por Robson Pires - Em Notas - 11 jan 2010 - 15:24]… … O senador Garibaldi Filho não fretou avião particular para vir do Piauí a Natal no domingo. Ele foi àquele estado participar da festa de confraternização do Grupo Empresarial Claudino, a convite do empresário João Claudino. Garibaldi Filho participa da festa há três anos. João Claudino é pai do senador João Vicente Claudino e é também um dos empresários mais bem sucedidos do Piauí e do Nordeste. No sábado, durante a confraternização, Garibaldi Filho foi homenageado com o título “amigo da empresa”. No domingo (10), após saber que o senador estava com dificuldades parar encontrar um bom horário de retorno a Natal, João Claudino ofereceu a ele seu avião particular para que viesse deixá-lo no Rio Grande do Norte. Não houve fretamento, mas sim uma gentileza por parte do empresário. A informação, entretanto, foi motivo de equívoco por parte de alguns jornalistas; que acabaram divulgando (sem checar devidamente) que Garibaldi Filho teria “fretado um jatinho particular”. Isso não ocorreu e quem divulgou já fez as devidas correções. A assessoria de imprensa do senador ficaria muito grata se o senhor fizesse também este registro, como bom jornalista que é. Antecipadamente, (e novamente) muito obrigado. Um abraço. Do blog: saiba mais sobre o assunto em matéria anterior.

Farsa de Chávez leva Venezuela para a ruína.

Os índices de aprovação de Hugo Chávez estão cada vez mais baixos, levando o líder venezuelano a tomar medidas que comprometem a credibilidade econômica do país. Na semana passada, ele anunciou a desvalorização do bolívar, a moeda nacional. Em lugar de uma cotação única do dólar a 2,15 bolívares, agora haverá um sistema fomentador de corrupção de três preços FINANCIAL TIMES. Hugo Chávez está aumentando seus problemas com seu eleitorado. Os índices de aprovação do presidente venezuelano caíram de acima de 60% há um ano, nos 10 anos de seus reinado, para 50% agora. A posição de seu partido está agora ameaçada. Ele pode se sair mal nas eleições de setembro ao Congresso. Então Chávez agiu de forma ousada e, como sempre, imprudente. Na semana passada, ele anunciou a desvalorização do bolívar, a moeda nacional. Em lugar de uma cotação única do dólar a 2,15 bolívares, agora haverá um sistema fomentador de corrupção de três preços; uma cotação para bens essenciais de 2,60 bolívares, uma cotação oficial do "dólar petróleo" para tudo mais a 4,30 bolívares e uma cotação de mercado. Com a taxa de inflação a 25% devorando o valor da moeda, uma grande desvalorização era inevitável e necessária. O dólar era recentemente negociado no mercado negro a cerca de um terço de seu preço oficial -a cerca de 6 bolívares. Mas esta decisão não é motivada por uma economia sólida. Chávez tem pouco tempo para as empresas que foram crucificadas pelo bolívar forte. A desvalorização visa, em vez disso, permitir que ele mantenha a barragem de gastos que construiu a popularidade de seu governo. As medidas gerarão grandes lucros para a Petróleos de Venezuela SA, o monopólio estatal de petróleo. Cada barril de petróleo vendido no exterior agora gerará duas vezes mais bolívares. E, devido à estrutura do novo regime cambial, o preço das importações subirá mais lentamente. Assim, a desvalorização deverá reduzir em mais da metade um déficit público que, caso contrário, seria de mais de 7% do produto interno. Ao mesmo tempo, Chávez anunciou a apropriação indébita de US$ 7 bilhões das reservas do banco central para um fundo de desenvolvimento do governo. O homem-forte venezuelano está apostando que o poder reforçado de gastos lhe permitirá comprar mais votos do que o trauma social da desvalorização lhe custará. Mas não está claro que o cálculo político de Chávez está correto. A dor da desvalorização será aguda. Os economistas esperam que a taxa de inflação subirá significativamente -talvez ultrapassando os 40% neste ano. Mas, mesmo se ele puder amortecer o impacto e sobreviver ao teste das urnas de setembro, o carrossel de gastos de Chávez alguma hora precisará parar. Seu país não pode inflar seu caminho para a prosperidade sustentável. Em algum momento, a realidade alcançará a Venezuela. Quando isso acontecer, Chávez enfrentará o acerto de contas público. Tradução: George El Khouri Andolfato

Infraestrutura de Cuba sofre com negligência, falta de estímulos e carência de recursos.

Mauricio Vicent
Cubanos passam por cartaz com a imagem de Fidel Castro, em Havana (Cuba). A capital do país passa por sérios problemas de infraestrutura e dá sinais de enfraquecimento da revolução Em Havana (Cuba)
Pedestres cubanos caminham ao lado de automóveis da frota pré-revolucionária cubana sob cartaz contra a "agressão" americana em Havana; embargo foi resposta a nacionalizações, em 1962. Agora, a ilha socialista enfrenta problemas sérios de desenvolvimento urbano e social Em 8 de janeiro passado, os viajantes que utilizaram o terminal 3 do Aeroporto Internacional de Havana ficaram perplexos ao ver as imagens que o sistema fechado de televisão mostrava. Junto com concertos de música "salsa", propaganda turística, danças no Tropicana e imagens de arquivo da revolução, o canal dedicava espaços importantes a anunciar as vantagens da companhia Air Comet, líder em preços e em comodidade em suas rotas, segundo o comercial.
A empresa, em concordata há semanas, deixou em terra centenas de passageiros em Cuba e provocou quase um motim no consulado espanhol, mas ninguém no aeroporto se incomodou em retirar os anúncios da companhia. "Para as pessoas dá na mesma oito ou 80: ninguém está motivado a fazer as coisas direito", resumiu um funcionário. E disse mais: "A verdade é que infelizmente em Cuba já perdemos até o hábito de trabalhar". A anedota é mais um exemplo dos males da Cuba socialista. Se é assim no aeroporto, onde os empregados têm possibilidade de desviar recursos e receber propinas em divisas, é fácil imaginar o que acontece em outros setores. A magnitude da negligência e do desastre, agravada pela escassez de recursos e ainda mais pela falta de estímulos, é evidente. E aparece inclusive em reportagens recém-publicadas na imprensa oficial sobre o estado de algumas infra-estruturas e setores produtivos. "Com água no pescoço?", é o título de uma reveladora página dupla do jornal "Granma" de 9 de janeiro, sobre a lamentável situação da rede hidráulica do país. "Mais da metade da água bombeada não chega ao destino previsto" devido ao mau estado das redes de distribuição, informa o jornal, denunciando que apesar da crise a ilha "gasta o dobro da água necessária". Segundo o Instituto Nacional de Recursos Hidráulicos (INRH), este ano foram reparados uma média mensal de 18 mil vazamentos, a maioria deles conseqüência da deterioração do sistema de aquedutos, que tem entre 50 e cem anos e que não recebeu uma manutenção integral no último meio século. Durante anos as autoridades tentaram eliminar os vazamentos "de modo pontual", mas essa, confessa o "Granma", "não é uma solução sustentável". "Ao tratar um vazamento em uma linha de encanamentos, ele simplesmente se desloca. Reparado o primeiro vazamento, o nível de deterioração levará a que, em qualquer trecho na continuação, surja um novo", explica-se. "É a história que nunca acaba", admite Javier Toledo, alto funcionário do INRH. O plano "estratégico" do governo de Raúl Castro se baseia na "reabilitação das redes de aquedutos" nos próximos dez a 15 anos. Excesso de otimismo, na opinião de muitos... Há poucas semanas a imprensa publicou outro relatório não menos cru: 75% das vias pavimentadas de Cuba estão em estado "entre regular e ruim". Em outras palavras, os 29.600 km que somam as rodovias e estradas cubanas estão coalhados de buracos. Quanto às ferrovias, 94% estão deterioradas, como a maioria das locomotivas e 40% dos vagões. Assim como com a água, não se vêem soluções em curto prazo: para consertar as estradas seriam precisos 19 milhões de toneladas de asfalto; mas hoje Cuba produz anualmente só 1 milhão. Deixemos de lado os serviços. Um produto tão cubano quanto o coco também passeia hoje à beira do precipício. Na localidade oriental de Baracoa, onde são colhidos 85% desse produto, as cifras dão medo: este ano a produção foi 80% menor que a de 1990, e isso que as fábricas cubanas demandam por ano mais de 5 mil toneladas de óleo de coco para elaborar produtos cosméticos. Baracoa produziu em 2008 só 403 toneladas desse óleo, e o preço da tonelada no mercado internacional beira os US$ 500. O jornal "Juventud Rebelde" admite que na base desse desastre produtivo estão os baixos preços que as empresas estatais pagam para os plantadores de coco. Adivinha-se por que a Air Comet continua voando em Cuba. Tradução: Luiz Roberto Mendes Gonçalves

Guarulhos gasta mal R$ 1,5 milhão por mês para tapar buracos.

Redação Guarulhosweb 12/01/2010 12:15
As ruas e avenidas de Guarulhos estão tomadas por buracos Tanto na região central como em bairros da periferia, o quadro chega a ser desolador. O asfalto se desfaz na mesma velocidade das chuvas que caem sem parar desde o final do ano passado e início deste. As autoridades, aliás, utilizam esse álibi para justificar essa verdadeira infestação de buracos, que atrapalha o trânsito, danifica automóveis, ônibus e caminhões e deixa descontente qualquer cidadão indistintamente. A Proguaru, empresa de economia mista, responsável por tapar buracos na cidade, tem resposta pronta sempre que questionada. As equipes estão nas ruas, mas não dão conta da demanda. Neste período de altos índices pluviométricos, há o reforço de mais gente e equipamentos. Todo mês, faça chuva ou faça sol, o Município joga R$ 1,5 milhão nos buracos que voltam a ficar abertos muito pouco tempo depois. No final de um ano, são R$ 18 milhões, um dinheiro que mereceria ser melhor aplicado. Pior de tudo é que, apesar de todo esse valor, a cidade continua tomada pelos buracos. E não dá para vislubrar uma situação diferente, caso a Prefeitura não pense em médio e longo prazos, promovendo uma grande mudança na forma com trata essa questão. Além das chuvas, contribui também para o surgimento de mais e mais buracos os serviços programados ou emergenciais realizados pelo Saae (Serviço Autônomo de Água e Esgoto). Para realizar uma simples ligação a uma residência, é necessário cortar o asfalto, deixando - primeiro - um buraco e depois um remendo, que muitíssimo tempo depois, volta a ficar aberto. A Proguaru não revela, mas provavelmente há um índice muito grande de resserviço, quando o mesmo buraco é tapado várias vezes em um curto período de tempo. No último ano da gestão do ex-prefeito Elói Pietá, a Prefeitura promoveu uma série de serviços de recapeamentos completos de importantes avenidas da cidade. Tiradentes, Timóteo Penteado, Faria Lima, Otávio Braga de Mesquita, Guarulhos, entre muitas outras, receberam um asfalto novinho em folha às vésperas das eleições de 2008. Ou seja, pouco mais de um ano atrás. Basta dar uma volta por qualquer uma dessas vias para perceber que o serviço foi mal feito, numa comprovação de que o material utilizado não foi dos melhores. Ou seja, a cidade gastou muito mal milhões de reais em obras que não apresentaram bons resultados nem no curto prazo. Já naquele momento, o Guarulhos Hoje, e demais veículos de comunicação do grupo Mídia Guarulhos, mostravam uma série de problemas. Algumas vias chegaram até a ter os serviços refeitos tão logo a reportagem mostrou os erros em sua execução. Mas em muitas outras o problema passou batido. Desta forma, Guarulhos perdeu uma ótima oportunidade para contratar serviços de qualidade, com a aplicação de materiais que não se desfizessem tão pouco tempo depois. Hoje, chora-se o leite derramado, sem se dar conta de que era possível apagar o fogo a tempo. Por tudo isso, hoje a cidade é obrigada a enterrar - como já fazia naquele momento - R$ 1,5 milhão por mês nos buracos. A atual administração acaba enxugando gelo, sem apresentar soluções efetivas para mudar esse quadro. Talvez esse seja o maior mal. Se não houver uma revolução na forma de enfrentar o problema, o tempo passará e a ladainha permanecerá a mesma.

CHARGE - Pelo buraco.

Edgard Saraceni 12/01/2010 11:17 Guarulhos gasta R$ 1,5 milhão por mês no serviço de tapa-valas. Mesmo assim asfalto de ruas e avenidas encontra-se em situação deplorável.

CHARGE - Amargo regresso!

Edgard Saraceni 11/01/2010 10:46 Ao retornar de férias, o prefeito Sebastião Almeida encontrará uma cidade repleta de problemas, decorrentes das chuvas que não param.

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Como se perpetua a corrupção e os escândalos envolvendo políticos.

Os cidadãos de origem rural, como este subscritor, presenciaram por diversas vezes como uma carniça de grande porte é consumida nos inóspitos sertões brasileiros: aproximam-se os carcarás, os urubus, os cachorros bandoleiros, as raposas, os guaxinins, repteis de várias espécies, tatus e uma infinidade de insetos, enfim, uma grande fauna se forma ao redor daqueles restos mortais buscando abocanhar um pouco daqueles despojos. Em Brasília, nos estados e municípios brasileiros a coisa funciona com certa semelhança, só que muitos dos que migram para estes redutos, buscam migalhas que caem das mesas dos grandes banquetes custeados com o dinheiro público e oferecidos por bandidos travestidos de políticos. Existem também os “coiotes” para intermediar a distribuição destas migalhas e aproximar dos “políticos”, aqueles que mais lhe convém e, ao final da festança até jogam o que resta para a população faminta, com isso, amealham grandes prestígios, carismas e votos que podem lhes render cargos e poder. Assim perdura e sobrevivem os desmandos com o dinheiro público e acontecem os já costumeiros escândalos, daí ficamos nos indagando: Como? Quem? Por quê? Ninguém vai para a cadeia? Só os PPP’s são presos? Ora! Façamos o favor e tomemos vergonha na cara não elegendo bandidos para cargos públicos, pois o final será sempre o mesmo. Ficha limpa já. Crimes praticados por expressões de opinião e denuncias são bem diferentes do que esta gente pratica e busca impunidade e refúgio em cargos públicos.
Francisco Brito

domingo, 10 de janeiro de 2010

Conheça os deputados que censuraram a web.

Por Fernando Rodrigues
A lei eleitoral foi votada e a aprovada na Câmara por aclamação. Mas foram 221 os deputados que viabilizaram a aprovação do texto com as várias restrições à web durante o período eleitoral. O plenário da Câmara estava sofrendo um processo de obstrução ontem (16.set.2009) porque havia sido requerida uma votação nominal. Nesse caso, são necessários pelo menos 257 deputados presentes (50% mais 1 dos 513 totais). Tratava-se de uma votação sobre um tema adjacente –se seria permitida ou não a propaganda paga de candidatos na internet. Os partidos todos se mobilizaram, do PT ao Democratas, do PSOL ao PV, e colocaram os deputados em plenário para derrubar essa possibilidade. Só o PSDB estava contra. A votação foi 221 votos para vetar a publicidade paga e só 38 a favor. Por conta dessa votação, a sessão pode prosseguir depois apenas com votações simbólicas. A lei eleitoral foi aprovada. No post acima, um detalhamento de quais são as restrições à web. Um fato importante: Michel Temer (PMDB-SP), presidente da Câmara, não aparece na lista de deputados censores. Mas ele foi o grande condutor do processo, presidindo a sessão. Abaixo, em lista alfabética, os nomes dos 221 deputados responsáveis diretos pela censura à internet na eleição do ano que vem. É necessário dizer que alguns foram solapados pelo “centralismo democrático” de suas siglas, como Paulo Teixeira (PT-SP). Esse deputado era a favor de liberar a web, mas teve (sic) de votar com o PT e ajudou a engrossar a banda dos censores: Quem votou para ajudar a censurar a web (e-mails desses deputados estão em www.camara.gov.br): Abelardo Camarinha (PSB-SP); Abelardo Lupion (DEM-PR); Aelton Freitas (PR-MG); Albérico Filho (PMDB-MA); Alice Portugal (PCdoB-BA); Ana Arraes (PSB-PE); André de Paula (DEM-PE); Angela Amin (PP-SC); Angelo Vanhoni (PT-PR); Antonio Bulhões (PMDB-SP); Antônio Carlos Biffi (PT-MS); Antonio Carlos Biscaia (PT-RJ); Antonio Carlos Chamariz (PTB-AL); Antonio Carlos Magalhães Neto (DEM-BA); Antonio Cruz (PP-MS); Antônio Roberto (PV-MG); Aracely de Paula (PR-MG); Ariosto Holanda (PSB-CE); Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP); Arnaldo Jardim (PPS-SP); Arolde de Oliveira (DEM-RJ); Augusto Farias (PTB-AL); Bel Mesquita (PMDB-PA); Benedito de Lira (PP-AL); Betinho Rosado (DEM-RN); Bispo Gê Tenuta (DEM-SP); Brizola Neto (PDT-RJ); Cândido Vaccarezza (PT-SP); Capitão Assumção (PSB-ES); Carlos Abicalil (PT-MT); Carlos Bezerra (PMDB-MT); Carlos Eduardo Cadoca (PSC-PE); Carlos Sampaio (PSDB-SP); Carlos Zarattini (PT-SP); Celso Maldaner (PMDB-SC); Celso Russomanno (PP-SP); Cezar Silvestri (PPS-PR); Charles Lucena (PTB-PE); Chico Abreu (PR-GO); Chico Alencar (PSOL-RJ); Chico DAngelo (PT-RJ); Chico Lopes (PCdoB-CE); Claudio Cajado (DEM-BA); Colbert Martins (PMDB-BA); Darcísio Perondi (PMDB-RS); Davi Alves Silva Júnior (PDT-MA); Deley (PSC-RJ); Devanir Ribeiro (PT-SP); Domingos Dutra (PT-MA); Dr. Adilson Soares (PR-RJ); Dr. Paulo César (PR-RJ); Dr. Rosinha (PT-PR); Dr. Talmir (PV-SP); Edigar Mão Branca (PV-BA); Edio Lopes (PMDB-RR); Edmar Moreira (PR-MG); Edmilson Valentim (PCdoB-RJ); Edson Duarte (PV-BA); Edson Ezequiel (PMDB-RJ); Eduardo Cunha (PMDB-RJ); Eduardo Lopes (PSB-RJ); Elcione Barbalho (PMDB-PA); Eleuses Paiva (DEM-SP); Elismar Prado (PT-MG); Elizeu Aguiar (PTB-PI); Emiliano José (PT-BA); Eunício Oliveira (PMDB-CE); Fábio Faria (PMN-RN); Fábio Ramalho (PV-MG); Fábio Souto (DEM-BA); Fátima Bezerra (PT-RN); Felipe Bornier (PHS-RJ); Felipe Maia (DEM-RN); Fernando Coruja (PPS-SC); Fernando Ferro (PT-PE); Fernando Lopes (PMDB-RJ); Fernando Marroni (PT-RS); Fernando Melo (PT-AC); Fernando Nascimento (PT-PE); Flávio Bezerra (PMDB-CE); Flávio Dino (PCdoB-MA); Francisco Praciano (PT-AM); Francisco Rodrigues (DEM-RR); Francisco Rossi (PMDB-SP); Geraldinho (PSOL-RS); Geraldo Pudim (PMDB-RJ); Geraldo Resende (PMDB-MS); Geraldo Simões (PT-BA); Germano Bonow (DEM-RS); Gerson Peres (PP-PA); Gilmar Machado (PT-MG); Glauber Braga (PSB-RJ); Gorete Pereira (PR-CE); Guilherme Campos (DEM-SP); Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN); Hugo Leal (PSC-RJ); Ibsen Pinheiro (PMDB-RS); Ivan Valente (PSOL-SP); Jackson Barreto (PMDB-SE); Jaime Martins (PR-MG); Jair Bolsonaro (PP-RJ); Jairo Ataide (DEM-MG); Jairo Carneiro (PP-BA); Janete Rocha Pietá (PT-SP); Jilmar Tatto (PT-SP); Jô Moraes (PCdoB-MG); João Carlos Bacelar (PR-BA); João Matos (PMDB-SC); João Oliveira (DEM-TO); Joaquim Beltrão (PMDB-AL); Jorge Boeira (PT-SC); Jorge Khoury (DEM-BA); José Airton Cirilo (PT-CE); José Carlos Araújo (PR-BA); José Eduardo Cardozo (PT-SP); José Genoíno (PT-SP); José Guimarães (PT-CE); José Maia Filho (DEM-PI); José Mentor (PT-SP); José Rocha (PR-BA); Joseph Bandeira (PT-BA); Julião Amin (PDT-MA); Júlio Cesar (DEM-PI); Jurandil Juarez (PMDB-AP); Jurandy Loureiro (PSC-ES); Lázaro Botelho (PP-TO); Leandro Vilela (PMDB-GO); Lelo Coimbra (PMDB-ES); Leo Alcântara (PR-CE); Leonardo Monteiro (PT-MG); Lídice da Mata (PSB-BA); Lincoln Portela (PR-MG); Lindomar Garçon (PV-RO); Luciana Costa (PR-SP); Luiz Alberto (PT-BA); Luiz Bassuma (PT-BA); Luiz Bittencourt (PMDB-GO); Luiz Carlos Setim (DEM-PR); Luiz Carreira (DEM-BA); Luiz Couto (PT-PB); Lupércio Ramos (PMDB-AM); Magela (PT-DF); Major Fábio (DEM-PB); Manato (PDT-ES); Marçal Filho (PMDB-MS); Marcelo Castro (PMDB-PI); Marcelo Melo (PMDB-GO); Marcelo Ortiz (PV-SP); Marcelo Serafim (PSB-AM); Marcelo Teixeira (PR-CE); Marcio Junqueira (DEM-RR); Márcio Marinho (PR-BA); Marco Maia (PT-RS); Marcondes Gadelha (PSB-PB); Marcos Lima (PMDB-MG); Marcos Medrado (PDT-BA); Marcos Montes (DEM-MG); Maria do Rosário (PT-RS); Maria Helena (PSB-RR); Maurício Trindade (PR-BA); Mauro Nazif (PSB-RO); Mendes Ribeiro Filho (PMDB-RS); Mendonça Prado (DEM-SE); Nazareno Fonteles (PT-PI); Neilton Mulim (PR-RJ); Nelson Bornier (PMDB-RJ); Nilmar Ruiz (DEM-TO); Nilson Mourão (PT-AC); Odair Cunha (PT-MG); Odílio Balbinotti (PMDB-PR); Osmar Serraglio (PMDB-PR); Osvaldo Reis (PMDB-TO); Paes de Lira (PTC-SP); Pastor Pedro Ribeiro (PMDB-CE); Paulo Henrique Lustosa (PMDB-CE); Paulo Piau (PMDB-MG); Paulo Pimenta (PT-RS); Paulo Rattes (PMDB-RJ); Paulo Rubem Santiago (PDT-PE); Paulo Teixeira (PT-SP); Pedro Chaves (PMDB-GO); Pedro Eugênio (PT-PE); Pedro Wilson (PT-GO); Pepe Vargas (PT-RS); Perpétua Almeida (PCdoB-AC); Professor Setimo (PMDB-MA); Professor Victorio Galli (PMDB-MT); Renato Molling (PP-RS); Ricardo Quirino (PR-DF); Roberto Alves (PTB-SP); Roberto Santiago (PV-SP); Rodrigo Rollemberg (PSB-DF); Rômulo Gouveia (PSDB-PB); Ronaldo Caiado (DEM-GO); Sandro Mabel (PR-GO); Saraiva Felipe (PMDB-MG); Sérgio Barradas Carneiro (PT-BA); Sérgio Brito (PDT-BA); Sergio Petecão (PMN-AC); Silas Brasileiro (PMDB-MG); Solange Almeida (PMDB-RJ); Sueli Vidigal (PDT-ES); Takayama (PSC-PR); Tonha Magalhães (PR-BA); Valadares Filho (PSB-SE); Valdir Colatto (PMDB-SC); Valtenir Pereira (PSB-MT); Vander Loubet (PT-MS); Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM); Veloso (PMDB-BA); Vicentinho (PT-SP); Vinicius Carvalho (PTdoB-RJ); Washington Luiz (PT-MA); Wellington Roberto (PR-PB); Wilson Picler (PDT-PR); Wilson Santiago (PMDB-PB); Wladimir Costa (PMDB-PA); Zé Geraldo (PT-PA); Zequinha Marinho (PSC-PA); Zezéu Ribeiro (PT-BA); Zonta (PP-SC).